26.11.05

Do Mal-Estar.

Não que se possa precisar os motivos. O tal mal-estar há tanto alardeado por Freud, não se explica. Se sente. Sem motivo aparente, sem fundamento pra lacuna que consome, sem sangue na ferida que não fecha. Basta acordar e se indispor com o continuar-respirando. Não, tal conceituação talvez vá um pouco além do simples niilismo. É constatação básica. Regra número um pra que se continue-vivendo.